domingo, janeiro 29

A ingenuidade eterna do poeta inconstante



"Grasping" por Joana Dias

entrego-me 'a escuridão enquanto (des)espero pela saudade do teu abrigo.
sei que cada dia me torno mais indiferente e mais frio.
a vida deu-me o dom de me moldar à tua vontade,
assim serei, foi o que fizeste de mim.
espero-te na maior de todas as esperas,
enquanto a janela do tempo não fecha,
o vazio não passa,
o corpo não aquece,
a alma não esquece.
(...)

1 comentário:

CemIdeias** disse...

(...) A alma não esquece...
O corpo não apaga...
O pensamento não esquece...
Não me deixa viver
Sem antes de dormir pensar em ti
Sem antes de Acordar pensar em ti
Sem antes...
Antes que me esqueça de ti...
Quando o pensamento se cansar
A alma se cansar de esperar e voar...
Voar para outro corpo que não o teu
Voar para outro pensamento que não o teu... O meu
O meu por outro e não por ti...
Por mim...
Assim
Te vou esquecendo
Sem querer
Sem saber
Até que desapareças sem nada dizeres ou me avisares
E a dor sossegar**