domingo, julho 2

Menina dos olhos de agua







Menina em teu peito sinto o Tejo
e vontades marinheiras de aproar
Menina em teus lábios sinto fontes
de água doce que corre sem parar
Menina em teus olhos vejo espelhos
e em teus cabelos nuvens de encantar
E em teu corpo inteiro sinto feno
rijo e tenro que nem sei explicar

Se houver alguém que não goste
não gaste, deixe ficar
que eu só por mim quero te tanto
que não vai haver menina para sobrar

Aprendi nos 'esteiros' com Soeiro
e aprendi na 'fanga' com Redol
Tenho no rio grande o mundo inteiro
e sinto o mundo inteiro no teu colo
Aprendi a amar a madrugada
que desponta em mim quando sorris
És um rio cheio de água lavada
e dás rumo à fragata que escolhi

Se houver alguém que não goste
não gaste, deixe ficar
que eu só por mim quero te tanto
que não vai haver menina para sobrar.


Pedro Barroso

2 comentários:

maray disse...

menina, dos olhos dágua
tira os teus olhos do mar
vem ver que a vida ainda vale
o sorriso que eu tenho
pra te dar!

Um pedacinho da letra de uma linda música nossa (brasileira). Os olhos dágua são internacionais!

abraços

Anónimo disse...

é esta a verdadeira essência da poesia e da musica portuguesa, altiva inteligente e sempre actual, se houver algém que não goste, não gaste, deixe ficar!